TUDO QUE VOCÊ NUNCA QUIS SABER SOBRE OS SKINHEADS, POIS SEMPRE ACHOU QUE ERAM TODOS NAZISTAS!

Seja bem-vindo(a) à página dos SKINHEADS CEARÁ, um coletivo que agrupa principalmente skinheads, sejam eles anarquistas, comunistas, ou sem nenhuma ideologia definida, mas também outras culturas irmãs (como os mods, rude boys e punks). Possuímos em comum a paixão pelo oi!, ska e reggae; o prazer por uma cerveja gelada e um bom futebol; o sentimento classista e a revolta diante de toda e qualquer forma de discriminação e exploração. Leia mais...

31 de mai de 2013

Redskins Ceará: 10 Anos de Orgulho de Classe!

Hoje, 31 de maio, comemoram-se 10 anos do surgimento de Redskins Ceará, grupo de skinheads militantes que deram origem aos primeiros agrupamentos skinheads a partir da capital cearense.
Histórico
O Redskinhead ou Redskin é uma corrente formada por skinheads que militam em organizações políticas da esquerda revolucionária, de orientação socialista ou comunista, dentro do movimento skinhead, que teve origem na banda de power soul inglesa The Redskins, composta por militantes do Socialist Workers Party-SWP(Partido Socialista dos Trabalhadores, de orientação trotskysta) e seus seguidores skinheads no início dos anos 80 na portuária cidade de Leeds, Inglaterra. Muito se diz, principalmente pelos ditos apolíticos fazendo coro com a escória nazi e facho, que The Redskins era um braço do SWP para cooptar o movimento skinhead, quando na verdade os membros da banda tinham o skinhead apenas como modo de vida (e como tal não podiam abdicar de suas convicções políticas no movimento) e que só houve uma intervenção do Partido a partir do momento em que os boneheads- estes sim eram infiltrações de partidos fascistas como o British Movement-BM, National Front-NF e British National Party-BNP- passaram a agredir os músicos e o público que frequentava as gigs da banda. Assim tornou-se o primeiro movimento a combater corajosa e convictamente a infiltração nazifascista no movimento skinhead, combatendo física , política e culturalmente, tendo como expressão a Anti Nazi League, para fazer frente a Blood & Honour, ligada as bandas White Powers-WP(Poder Branco), capitaneada pelos nazistas da Skrewdriver.
Estas notícias correram a cena europeia, de modo que chegaram a França, na época empestada de fachos e nazis. Para combater esta escória surgiram os primeiros redskins franceses, os Red Warriors, caçadores de fachos parisienses, em sua maioria militantes do Partido Comunista Francês-PCF, haja vista fazerem a segurança de seus comícios. Os Red Warriors serviram de referência para o surgimento de outros grupos noutras cidades francesas como os Lenine Killers, Red Ants, Red Action Skinhead, Ducky Boys, Massilia Red Army, enfim.
A partir da fronteira com a França, via País Basco (Euskadi- território anexado pelo Estado Español) surgiram os primeiros redskins na Espanha tendo como expressão a banda Kortatu, que tinha clara referência sonora e política na banda The Redskins- basta ouvir a música “Etxerat”, estes por sua vez eram militantes do Batasuna (Partido Comunista Basco, posto na ilegalidade acusado de terrorismo, assim como o E.T.A.)ligados a “Esquerda Abertzale”, um setor que defende a libertação da Pátria Basca e construção do socialismo mediante a palavra de ordem “Euskadi eta Socialismoa”. A partir daí surgiram grupos redskins em toda parte do globo.
Redskins no Ceará
Em 2003 um grupo de militantes da então juventude do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado-PSTU, de orientação trotskysta, com referência no punk e underground tomam conhecimento da banda The Redskins e esta foi a senha para o descobrimento do movimento skinhead de conjunto, sua história e referência na classe operária tal como os ideais pelos quais militavam cotidianamente, ao passo que a identificação foi imediata. Em seguida, descobriram-se as bandas nacionais, dentre as quais Garotos Podres onde em entrevistas publicadas na web descobriu-se que Mao do Garotos e Clemente do Inocentes haviam militado na Convergência Socialista-CS(Corrente expulsa do PT e principal organização a dar origem ao PSTU em 1994.), fazendo com que ganhassem mais convicção de que estavam na trilha correta.
A partir do momento que passam a se identificar como redskins, pouco mais de um mês depois ocorreu uma gig com Garotos Podres, pela 1ª vez em Fortaleza, onde por ocasião do enfrentamento com os Carecas, estes mesmos redskins dão origem ao RASH Fortaleza com objetivo de ampliar os contatos nacionais e internacionais, além de dar abertura aos camaradas anarkoskins, construindo os alicerces do movimento skinhead no Ceará.
Balanço
Como militantes político-culturais que somos, é parte de nossa tradição marxista, fazer balanços para identificar no que acertamos e erramos de forma a definir nossas tarefas futuras.
Nestes 10 anos, o aspecto mais positivo de Redskins Ceará foi ter dotado os agrupamentos originários de nosso grupo das tradições e métodos do movimento operário, adotando princípios claros com referência nas organizações revolucionárias dos trabalhadores, tais como o antimachismo, antiracismo, anti-homofobia, anti-xenofobia, anticapitalismo, pela tomada do poder pelo proletariado com a revolução socialista mundial, assim formando a coluna vertebral do movimento skinhead no Ceará, fator determinante para estarmos contando a história, pois neste período vimos vários grupos e indivíduos surgirem e desaparecerem e no pior dos casos, degenerarem-se cedendo aos nazis e fachos.
Contudo, refletindo a situação político-econômica mundial(isso é o que rege todas as relações no capitalismo), conjuntura brasileira e local, com várias contradições entre si, mas que fazem parte do sistema capitalista (lei do movimento desigual e combinado) nós fomos afetados politicamente, ao passo que alguns camaradas se afastaram da militância partidária pois, considerando que o capital quer nos ganhar para sua ideologia, o Partido(revolucionário) funciona como um “anticorpo” contra a alienação, os vícios, a cooptação, o sectarismo, o oportunismo, a desmoralização imposta pelo capitalismo, cobrando a disciplina, coerência nos princípios, apoiado na mais ampla democracia operária. Diga-se que isso não é apenas uma justificativa nossa, isso é característico do capitalismo na sua fase imperialista, basta ver os exemplos de burocratização de várias organizações tradicionais e degeneração moral, corrupção de figuras históricas do PT, PCdoB, instituições burguesas conservadoras afundadas em crises morais como a Igreja Católica, sem falar da desmoralização de alguns indivíduos ligados ao movimento skinhead. Todos estes elementos geraram um relaxamento na disputa político-ideológica, contribuindo para o surgimento de vicissitudes, incoerência na defesa dos princípios, sectarismo, questões de moral e conduta, dentro de nosso agrupamento.
Como parte e principais responsáveis pelo destino dos agrupamentos skinheads que originamos, reafirmamos nossa firmeza nos princípios, nossa crença nos valores, moral e na revolução proletária!
Concluímos assim que estes 10 anos de caminhada são vitoriosos e que estamos preparados pros embates futuros, pois nossos anticorpos estão ativos e extirparão estes males de nosso organismo, nossa coluna vertebral continua firme e nossas pernas prontas pra caminhar a passos largos!

“Eu vi a célula mãe se multiplicar, eu vejo o câncer querendo se instalar. Nas artérias tem o sangue da indignação, Redskins Ceará, QG da revolução!”

23 de mai de 2013

Nota de esclarecimento sobre os Garotos Podres



Os Garotos Podres - uma das maiores bandas de punk/oi! brasileiras e uma das grandes inspirações dos Skinheads Ceará - está passando por uma batalha judicial. Para informar melhor os leitores deste blog, reproduzimos na íntegra a nota de esclarecimento sobre os Garotos Podres feita pelo então vocalista Mao:

"Diante de recente matéria publicada no site Whiplash.net, intitulada: “Garotos Podres: sem Mao, com nova formação e novo nome”, me vejo na obrigação de vir novamente a público no intuito de restabelecer a verdade dos fatos.

I - Em nenhum momento saí dos Garotos Podres. O que realmente aconteceu foi algo muito diferente. Os senhores Michel Stamatopoulos (OAB 2878/Acre) e Leandro Ciorra Ferreira simplesmente tentaram (e ainda estão tentando) se apossar da banda. Felizmente, já sabendo da ilibada reputação destes senhores, providenciei o devido registro do nome da banda junto ao INPI ainda em meados do ano passado. Este fato frustrou a tentativa do Sr. Michel Stamatopoulos (OAB 2878/Acre) em registrar o nome da banda em “seu nome”, tentativa que ele tentou realizar em março de 2013.

II – Nós dos Garotos Podres nos pautamos sempre dentro de alguns princípios básicos. Nunca defendemos a “Ditadura Militar” e jamais defendemos políticos de extrema-direita (como, por exemplo, o Dep. Marco Feliciano). O fato do senhor Michel Stamatopoulos (OAB 2878/Acre) recentemente passar a defender publicamente a Ditadura e a este deputado, constitui-se, a nosso ver, numa vergonhosa e descarada deserção de consciência, incompatível com o espírito dos Garotos Podres.

III – O senhor Michel Stamatopoulos (OAB 2878/Acre) não é, nem nunca foi “porta-voz” de nada, e muito menos “porta-voz” dos Garotos Podres. Trata-se apenas de um cidadão que, acometido de um oportunismo desenfreado, está pretendendo se apossar do legado histórico dos Garotos Podres (legado histórico do qual ele contribuiu muito pouco), montando uma nova banda e tentando se passar como “continuidade” dos Garotos Podres.

IV – Sou autor de quase 90% das letras e compositor de cerca de 50% das músicas dos Garotos Podres. O mais irônico de tudo isto é que estes senhores, que tentam posar como “continuidade dos Garotos Podres” muito pouco fizeram. O senhor Leandro Ciorra Ferreira não compôs uma única música ou letra em 14 anos que esteve na banda, e o senhor Michel Stamatopoulos (OAB 2878/Acre) foi coautor de apenas ½ letra (“Eu não sei o que quero”.) em 28 anos na banda.

V – O que realmente está acontecendo é que a banda “rachou” devido à inadequada postura de dois de seus integrantes (Michel e Leandro). Ao que parece, os senhores Michel e Leandro começarão uma NOVA BANDA, enquanto eu o Kaká Saffiotti iniciaremos um novo projeto. Conforme podem observar na documentação que estou disponibilizando em minha página, nenhumas destas NOVAS BANDAS poderão usar o nome “Garotos Podres” enquanto não se resolverem as questões de natureza administrativa ou judicial junto ao INPI.

VI – Em resumo: a banda anunciada no site whiplash não é os Garotos Podres, e nem mesmo a sua continuidade. Querer transformar esta banda numa pretensa “continuidade” dos Garotos Podres, equivale a uma tentativa de “golpe na praça”.

Mao"